dodô

dodô

25 junho 2009

Lewis Carroll

"Havia três cadeiras na cabeceira da mesa; as Rainhas Vermelha e Branca já ocupavam duas delas, mas a do meio estava vazeia. Alice sentou-se ali, bastante contrafeita com o silêncio, e ansiosa par que alguém falasse.
Por fim a Rainha Vermelha começou. 'Perdeu a sopa e o peixe', disse. 'Sirvam o assado!' E os garçons puseram uma perna de carneiro diante de Alice, que a contemplou bastante aflita, pois nunca tivera de trinchar uma perna de carneiro antes.
'Parece um pouquinho embaraçada; permita que lhe apresente esta perna de carneiro', disse a Rainha Vermelha. 'Alice... Carneiro; Carneiro... Alice.' A perna de carneiro se levantou do prato e fez uma pequena mesura para Alice, que a retribuiu, sem saber se ficava com medo ou achava graça.
'Posso lhes servir uma fatia?' perguntou, pegando a faca e o garfo e olhando de uma Rainha para a outra.
'É claro que não', respondeu a Rainha Vermelha, peremptória. 'Fere a etiqueta cortar alguém a quem você foi apresentada. Levem o assado!' E os garçons o levaram e trouxeram um grande pudim de passas no lugar.
'Não quero ser apresentada ao pudim, por favor', Alice se apressou a dizer, 'ou não vamos ter nada para jantar. Posso lhes servir um pouco?'
Mas a Rainha Vermelha pareceu aborrecida e resmungou: 'Pudim... Alice; Alice... Pudim. Levem o pudim!' e os garçons o levaram tão depressa que Alice não pôde retribuir sua mesura.
Seja como for, não entendia por que a Rainha Vermelha devia ser a única a dar ordens, e assim, para fazer um teste, chamou 'Garçom! Traga o pudim de volta!' e num segundo lá estava ele de novo, como num passe de mágica. Era tão grande que não pôde deixar de se sentir um pouco embaraçada com ele, como havia ficado com o carneiro. Contudo, venceu seu embaraço e, com grande esforço, cortou uma fatia e a serviu à Rainha Vermelha.
'Que impertinência!' disse o Pudim. 'Será que gostaria que eu cortasse uma fatia de você, sua criatura?'
Falava com uma voz grossa, untuosa, e Alice não teve o que dizer em resposta. Só conseguiu ficar imóvel e olhar para ele boquiabereta.
'Faça um comentário!' disse a Rainha Vermelha. 'É absurdo deixar toda a conversa nas mãos do pudim!'
'Sabe, recitaram-me tanta poesia hoje', Alice começou, um pouco amedrontada ao constatar que, no instante em que abrira os lábios, fizera-se silêncio absoluto, e todos os olhos haviam se fixado nela, 'e é uma coisa muito curiosa, acho... todos os poemas tratavam de peixes de algum modo. Sabe por que gostam tanto de peixes por aqui?'
Dirigiu-se à Rainha Vermelha, cuja resposta fugiu um pouco à questão. 'Quanto aos peixes', disse ela, de maneira muito lenta e solene, pondo a boca junto ao ouvido de Alice, 'Sua Majestade Branca sabe uma linda adivinhação... toda em versos... toda sobre peixes. Quer que ela a recite?'
'Sua Majestade Vermelha é muito gentil ao mencionar isso', a Rainha Branca murmurou no outro ouvido de Alice, numa voz que parecia o arrulho de um pombo. 'Seria um prazer tão grande! Posso?'
'Por favor', disse Alice, muito polidamente.
A Rainha Branca riu encantada e deu um tapinha na bochecha de Alice. Em seguida começou:

"Primeiro é preciso o peixe pescar.'
É fácil: até um bebê, acho, poderia apanhá-lo.
'Depois é rpeciso o pexie comprar.'
É fácil: um pêni, acho, poderia comprá-lo.

'Agora, trate de o peixe cozinhar!'
É fácil, só vai levar uns instantes.
'Ponha-o numa travessa circular!'
É fácil, porque já estava lá antes.

'Traga-o cá, deixe-me provar!'
É fácil pôr tal prato sobre a mesa.
'Queira o prato destapar!'
Ah, não sou capaz de tamanha proeza!

Porque como cola a tampa ele segura:
está agarrada ao prato, não quer se desentalar
Qual seria a tarefa menos dura,
Destampar o peixe ou o enigma decifrar?'"

(CARROLL, Lewis. Alice no País das Maravilhas, cap. 9)

A resposta: The Lewis Carroll Handbook (1962) revela que uma resposta numa estrofe de 4 versos para o enigma da Rainha Branca, na mesma métrica, foi publicada no periódico inglês Fun, em 30 de outubro de 1878. A resposta havia sido previamente submetida a Carroll, que burilou a métrica pra o autor anônimo. A estrofe final da resposta, tal como citada no Handbook é:

"Pegue uma faca bem amolada, para
Entre a tampa e o prato enfiar;
E então, num breve instante,
Des-cobrirá as Ostras,
E o enigma em pratos limpos estará!"

Nenhum comentário: