dodô

dodô

07 abril 2011

COMER A COR

texto de Neka Gastronomia

"Manoel de Barros dizia: “o que tem mais presença em mim é o que me falta”. Eu penso que somos escuros por dentro, então, eu procuro a cor. A idéia de comer cor me excita! Nós, como seres vivos, ardentes, latentes e pulsantes, correspondemos nossos sentimentos através do alimento.
Imagina que você está na TPM e aí resolve comer só coisas pretas e escuras: café, feijão, beterraba, especiarias escuras, como a pimenta negra. Então você poderia tentar compreender que sombra é essa que está obscurecendo você. Mas é claro que, um dia, você pode, já que gosta de café, colocar um incenso de café e decidir comer só colorido. Aí você come uma saladinha de fruta pela manhã. É importante se identificar com o que se está comendo. Você não precisa comer a cor o tempo inteiro, mas é importante ver de que forma o que se come está refletindo você. Agora, por exemplo, estou num momento muito “açai”. Só pode ser uma coisa boa comer um açaí rosa choque. Você só pode ficar rosa por dentro. E é muito lindo comer aquela cor pela manhã.

Gosto de ter este respeito pela cor, porque não apenas a enxergamos, mas comemos a cor. Ter o respeito pelo que sentimos e ouvimos também. Comemos o mundo de muitas maneiras: através da música que ouvimos, das palavras que escutamos, das conversas, das relações que formamos. No final, somos resultados do que comemos em palavras, sons, sonhos - que são alimentos também.
Um dia você pode se sentir muito obesa de palavras, e aí você resolve ficar quietinha. Então é bom que possamos nos perceber como um ser em movimento e pensar: Que comida sou eu hoje? Comer a cor é importante, mas tudo bem se você decidir que quer passar o dia em branco, e comer leite de castanha, mingau de aveia e um arrozinho. E se você decidir que quer comer um pudim de tapioca, pare e sinta o máximo que o pudim pode te oferecer. Podemos brincar com isso! Temos tanta variedade de frutas, de todas as cores. É claro que comer cores é pulsante!
Então, prestar a atenção no que se come, fala, ouve e sonha é o melhor regime que uma pessoa pode fazer. Procurar estados de espíritos amarelos, brancos, escuros e verdes é uma forma de nos investigarmos. Dessa forma amadurecemos bem, chegando aos 36.500 dias – que são quase cem anos – com saúde. O comer precisa ser conjugado como uma experiência feliz. Temos crédito com o que comemos, pois se você come coisas boas, você tem crédito dentro do seu corpo. É tudo uma questão de causa efeito! Comer nos define.

'O corpo é um processo genético, um processador de ambientes, que tem uma fórmula para crescer. O corpo não é um móvel, é um processo vivo em muitas camadas'."

daqui