dodô

dodô

24 setembro 2011

Comer, comer

"Não sei como são as outras casas de família. Na minha casa todos falam em comida. "Esse queijo é seu?" "Não, é de todos." "A canjica está boa?" "Está ótima" "Mamãe, pede à cozinheira para fazer coquetel de camarão, eu ensino." "Como é que você sabe?" "Eu comi e aprendi pelo gosto." "Quero hoje comer somente sopa de ervilhas e sardinha." "Essa carne ficou salgada demais." "Estou sem fome, mas se você comprar pimenta eu como." "Não, mamãe, ir comer no restaurante sai muito caro, e eu prefiro comida de casa." "Que é que tem no jantar para comer?" Não, minha casa não é metafísica. Ninguém é gordo aqui, mas mal se perdoa uma comida malfeita. Quanto a mim, vou abrindo e fechando a bolsa para tirar dinheiro para compras. "Vou jantar fora, mamãe, mas guarde um pouco do jantar para mim." E quanto a mim, acho certo que num lar se mantenha aceso o fogo para o que der e vier. Uma casa de família é aquela que, além de nela se manter o fogo sagrado do amor bem aceso, mantenham-se as panelas no fogo. O fato é simplesmente que nós gostamos de comer. E sou com orgulho a mãe da casa de comidas. Além de comer conversamos muito sobre o que acontece no Brasil e no mundo, conversamos sobre que roupa é adequada para determinadas ocasiões. Nós somos um lar." In: LISPECTOR, Clarice. Pequenas Descobertas do Mundo. Rio de Janeiro: Rocco, 2003, pág 26

Nenhum comentário: