dodô

dodô

16 julho 2012

Escola de Culinária Sabor e Arte. Quanto e o que servir em velório de defunto


 “Nem por ser desordenado dia de lamentação, tristeza e choro, nem por isso se deve deixar o velório correr em brancas nuvens. Se a dona da casa, em soluços e em desmaio, fora de si, envolta em dor, ou morta no caixão, se ela não puder, um parente ou uma pessoa amiga se encarrega então de atender à sentinela pois não se vai largar no alvéu, sem de comer nem de beber, os coitados noite a dentro solidários; por vezes sendo inverno e frio.
Para que uma sentinela se anime e realmente honre o defunto a presidi-la e lhe faça lee a primeira e confusa noite de sua morte, é necessário atende-la com solicitude, cuidando-lhe da moral e o apetite.
Quando e o que servir?
Pois a noite inteira, do começo ao fim. Café é indispensável e o tempo todo, café pequeno, é claro. Café completo, com leite, pão, manteiga, queijo, uns biscoitinhos, alguns bolos de aipim ou carimã, fatias de cuscuz com ovos estrelados, isso, só de manhã e para quem atravessou ali a madrugada.
O melhor é manter a água na chaleira para não faltar café; sempre está chegando gente. Bolachas e biscoitos acompanham o cafezinho; uma vez por outra uma bandeja com salgados, podendo ser sanduíches de queijo, presunto, mortadela, coisas simples pois de consumição já basta e sobra para o defunto.
Se o velório, porém, for de categoria, dessas sentinelas de dinheiro a rodo, então se impõe uma xícara de chocolate à meia-noite, grosso e quente, ou uma canja gorda de galinha. E, para completar, bolinhos de bacalhau, frigideira, croquetes em geral, doces variados, frutas secas.
Para beber, em sendo casa rica, além do café pode haver cerveja ou vinho, um copo e tão somente para acompanhar a canja e a frigideira.
Jamais champagne, não se considera de bom tom.
Seja velório rico, seja pobre, exige-se, porém, constante e necessária, a boa cachacinha; tudo pode faltar, mesmo café, só ela é indispensável; sem seu conforto não há velório que se preze. Velório sem cachaça é desconsideração ao falecido, significa indiferença e desamor.”

In: AMADO, Jorge. Dona Flor e seus dois maridos, 1966

Nenhum comentário: