dodô

dodô

18 agosto 2015

Zorba, o Grego

Pela primeira vez senti, nessas paragens, a doçura de uma refeição. De noite, Zorba acendia o fogo entre duas pedras e cozinhava; começávamos a comer e bebericar, a conversa ia se animando e eu compreendia, enfim, que comer é também uma função espiritual e que a carne, o pão e o vinho são as matérias-primas das quais se faz o espírito.
Antes  de comer e beber Zorba não tinha, de noite, depois da canseira do trabalho, nenhuma disposição; seus modos eram mal-humorados, e era preciso arrancar-lhe as palavras. Seus gestos eram lentos e sem graça. Mas, depois de jogar carvão na máquina, como ele dizia, toda a usina entorpecida e moída que era seu corpo se reanimava, tomava impulso e começava a trabalhar. Seus olhos se iluminavam, sua memória renascia, cresciam asas em seus pés e ele dançava.
- Dize-me o que fazes, do que comes e eu te direi quem és. Há os que transformam isso em gordura e lixo, outros em trabalho e bom humor, outros em Deus... como já ouvi dizer. Existem, portanto, três espécies de homens. Eu não sou nem dos piores nem dos melhores. Estou no meio. O que eu como, transformo em trabalho e bom humor. Não é muito ruim!”


In:  KAZANTZAKIS, Nikos. Zorba, o Grego. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 2ª edição. pag  64-65

Nenhum comentário: