dodô

dodô

20 abril 2016

d'O Cozinheiro Imperial



O autor do COZINHEIRO IMPERIAL empregou os esforços possíveis para preencher uma tão importante lacuna. Elle espera que com ajuda do seu novo Tratado, os artistas Brazileiros poderão tirar todo o proveito que desejão dos productos naturaes deste bello e fertil paiz. Os peixes, as aves, as frutas do Brazil gozão de uma reputação que corresponde á sua variedade, sabor e delicadeza.

Altos recreios, que o prazer dedica
Para a boca tornar mais sabia e rica;
Cousas sim de sabor, mas a quem come
Conhecidas por bôas pelo nome,
Verdade é que a comer não se precisa
Mas que dente apromptar, que o bucho guisa
Cozidos, fricassés, dôces, assados,
Sem differença fazer entre bocados;
Porém justo não é, não é bonito
Estar comendo cabra por cabrito,
Ou gorda ratazana por coelho,
E só por môlho ter muito vermelho,
Gosto, cheiro suave, desta fórma
O paladar com a vista se transforma.
Eis, pois, razão bastante que me anima
A offerecer-te  um livro, cousa prima,
No methodo que tem na bôa escolha
D'um jantar se dispôr mesmo sem ôlha.
Também na sobremesa com fartura,
Comer tu saberás muita doçura.
Emfim, taes cousas tem este livrinho,
Que sómente lhe falta o bello vinho.
E' parecer de amigo, proveitoso.
Dizer que o tenha quem fôr desejoso.
Quanto ao preço, por certo mais barato
Tu não podes ornar com apparato
A mesa das funcções anniversarias,
Onde a pansa se vê com luminarias;
E para divertir-te com mais graça,
Nos doces tu terás muita negaça.
Agora á Musa eu mando que se cale,
Pois quem mais quer saber, compre que - VALE.


Editado em 1840, filho de autor ignorado, porém sabido cozinheiro da nobreza, este livro foi redescoberto em 1995 e atualizado pelas mãos da professora universitária e cozinheira Vera Sandroni. Da essência dos molhos aos segredos do perfume dos alimentos, O Cozinheiro Imperial traz um panorama da cozinha internacional, adaptando-a com muita criatividade aos trópicos com o uso de ervas e especiarias nativas. E, para aqueles ainda muito crus na arte de comer e cozinhar, ensina até mesmo como pegar no garfo. Prefácio de Antonio Houaiss

Nenhum comentário: